sábado, 5 de março de 2022

A competição do homem

     Humanos tendem a competir mesmo quando não querem. Seja em um ato, uma conquista, uma derrota. Humanos consciente e inconscientemente competem entre si até quando não gostam de fazer tal coisa.

    Há competição sobre tudo, do mínimo ao máximo. Há até quem queira saber se algo sem vivenciar, sem sentir ou se esforçar para imaginar. Muitas vezes não é por querer competir, nem sempre se encaixa em tal palavra, mas acaba englobando tudo isso em uma eterna competição contra a existência no e do mundo.

    Uma mente pode ser diferente da outra, não só pode como é diferente. Não há como tudo funcionar da mesma forma e com a mesma fórmula. Há coisas e casos e dentro deles há ainda mais seções e bifurcações que levam a caminhos individuais e solitários que só quem os sente e vivenciam é que podem definir onde isso os pode levar.

    Não dá para definir tudo só por experiência própria, principalmente se tratando do outro. Não se deve competir duramente com os sentimentos particulares do outro, deve-se entender que há diferenças e individualidades. Saberes são diferentes, entendimentos são diferentes. Há coisas que são de senso comum, mas nem tudo e é aí que mora o individual e solitário Eu de cada um.

sábado, 19 de fevereiro de 2022

O peso do mundo

 O mundo pesa nas costas.


Mais uma vez estou preso em pensamentos naquilo que não consigo realizar (sim, o tcc). Já busquei ajuda em tantos lugares e tantas pessoas, já implorei à divindades, apelei para rituais, mas nada, absolutamente nada me tira dessa agonia e me permite terminar esse trabalho. 


O mundo está pesando em minhas costas. Um. Peso que me tira o ar. A ansiedade por conta disso me esmaga, não consigo respirar direito, pensar em outra coisa então nem se fala. 


Quero tanto me livrar disso, parar de reclamar desse assunto, enterrá-lo no passado nebuloso (que no momento é presente).


Claro que eu poderia deixar para lá, seguir a diante, mas como ignorar todos aqueles anos que passei ali? Não faz sentido deixar TODO aquilo passar em vão, tudo ter sido para nada. Não há conselho ou terapia no mundo que me faça perder a vontade de terminar isso, muito menos que me tire a razão de terminar. Isso é uma conquista que PRECISO ter. Eu realmente preciso, só que não alcanço.


É muito chato só falar sobre isso, mas não há como evitar já que eu SÓ penso nisso. É meu primeiro pensamento ao acordar, é meu último pensamento antes de adormecer e, provavelmente, é assunto da maioria dos meus sonhos (não tenho mais conseguido lembrar deles direito, mas creio que isso estais lá sempre). 


Eu só quero me livrar isso, só isso. Só quero que isso acabe, para que eu não tenha que me acabar. 

domingo, 23 de janeiro de 2022

Fico em silêncio para me sentir só

 Solidão é algo ambíguo. Uns a tem como algo terrível e triste, outros veem algo bom nela e estou entre esses. 


Viver em um local cheio de pessoas barulhentas e de animais, para alguns, pode até ser sinônimo de vida e de alegria, mas para alguém como eu, que prezo muito pelo meu espaço pessoal (físico, visual e auditivo) é uma tortura. 


Quase nunca estou sozinho. É algo estupidamente raro e eu amo ficar só.


Tem dias, como hoje (apesar de não estar tão propenso a isso, mas mesmo assim o fiz), que fico em silêncio para tentar simular uma solidão. Às vezes eu só não quero falar com alguém, não quero ter que verbalizar, responder perguntas, ter que prestar atenção em alguém que não seja eu. Tem dias que só quero a mim mesmo e não quero que se preocupem comigo, nem me perguntem nada e nem que falem comigo. 


Não preciso estar mal para que isso aconteça. Hoje não estive tão mal assim, mas preferi ficar quieto e tentar fazer algo por mim mesmo. Não consegui fazer muita coisa, mas pelo menos fiquei comigo mesmo. 


Não sou minha companhia preferida, mas às vezes quero ficar e fazer coisas somente pra mim e por mim. Não ter que interagir com nada, fazer algo só por mim. 


Nem todos entendem isso, e olhe que é algo simples de entender, mas faço mesmo assim, com uma frequência muito baixa, mas faço.


Quero fazer mais vezes, mas pode dar a impressão errada e eu realmente não tenho paciência para tentar explicar sobre isso mais uma vez. 


Às vezes me obrigo a ficar em alguns lugares (presencial e virtualmente) só para não gerar atrito nem ser motivo de gatilho pra ninguém, mas fico bem cansado e isso suga o resto de minhas energias. 


Queria poder argumentar do mesmo jeito que digitei aqui, mas talvez eu não seja entendido da maneira que quero e, com isso, vai gerar discussão e toda a situação que é relativamente simples será transformada em algo distante do que realmente é.


Só quero um tempo pra mim, ponto. Esse é o resumo. Um tempo sem falar com ninguém. Um tempo pra assistir o que eu quiser, pra jogar o que eu quiser. Pra dormir, pra ler, pra ouvir música... só preciso fazer coisas sozinho porquê estou sufocado com tanta gente o tempo todo em todos os lugares. 


Quero ficar somente comigo, não o tempo todo, NÃO Quero ME ISOLAR, quero tirar um tempo só pra mim. É só isso. Não há nada de errado nisso. 

terça-feira, 30 de novembro de 2021

Madrugada dos não-mortos (ou não totalmente vivos)

Madrugada de quarta, dia 01 de dezembro de 2021. No momento desta frase são 02:15 e estou ouvindo "Brooklyn Baby" da Lana Del Rey.

Como de costume: não estou bem. 

Tenho que trabalhar às 07:00 e depois ir ao médico, para então voltar para casa e retornar ao trabalho às 13:00. Trabalho esse que não gosto, mas é o que há para fazer. Queria não ter que voltar lá, queria ser feliz trabalhando com outra coisas, mas é isso que tem, então é isso que faço.

Ainda não terminei o tcc e isso continua a me diminuir cada vez mais. Não faço ideia de quanto tempo ainda tenho para fazer isso, o correto seria já terem me jubilado, mas eu insisto em fixar a ideia de que irei conseguir.

Queria dormir, mas não estou conseguindo e dessa vez não sei o motivo.

Lembrei do aviso que coloquei aqui para caso eu sumisse, mas acho que as pessoas pararam de vir aqui (o que pode ser algo bom) ou ninguém se importou o bastante para fazer o que pedi. De qualquer forma não foi necessário, pois como essa publicação comprova eu não morri (pelo menos não fisicamente).

A música agora mudou para "Áudio de Desculpas" da Manu Gavassi, sim, meu gosto musical é triste e variado.

Essa é minha playlist para dormir, esse tipo de música me acalma (pelo menos me forço a acreditar que sim). Mesmo tendo muitas músicas, sempre começo com Brooklyn Baby e depois Bel Air também da Lana (ou Bel Air vem antes de BB). Essas músicas têm algo "especial", não sei... nem lembro ao certo que elas dizem, mas gosto de ouvi-las.

Digitar no telefone é uma porcaria, a formatação aqui ficará horrível, fora os erros que nem tenho saco para corrigir (na real, talvez eu nem note os erros mesmo se fizer várias leituras).

É isso... não morri, mas também não estou vivo. Encerro o texto ouvindo "Helm" da banda Tow'rs. Uma banda desconhecida que queria muito que ficasse famosa, não pela fama em si, mas por serem muito bons no que fazem e por eu querer que mais gente sinta o que eu sinto quando os ouço.

Um abraço! Que o mundo melhore, que a covid suma e que a paz venha nos confortar!

sábado, 30 de janeiro de 2021

Um eco oco

Sou um fracasso. Um humano falho. Sim, todos falham, mas pareço superar os demais. Tenho tudo (praticamente tudo), família, casa, comida, emprego (mesmo que temporário), namorado que me ama (e que amo no mesmo tanto)... mas sou vazio e, porra, é muito ruim.


Queria sorrir a vontade, viver, olhar pra frente, só que fico preso ao passado, um passado besta e distante, passado ilógico e insignificante. Ele me prende, ele me puxa, ele me segura com tudo e simplesmente deixo porque não sei e nem consigo me desvencilhar dele.


Caralho, eu vou ser jubilado da universidade, só falta o tcc, mas não tenho coragem de começar, na verdade eu não faço ideia de como fazer. Sofri tanto pra nada e todo mundo vai jogar isso na minha cara. Meus pais gastaram com isso, mesmo sendo universidade pública (passei 2 anos indo pagando à universidade que fica na cidade vizinha e não era barato fazer isso rodos os dias), queria ao menos mostrar que não foi em vão. Queria terminar, EU JURO! Mas eu não consigo, é sério,  não sai nada e isso dói pra caralho porque me vejo ainda mais pequeno e oco. 


Sou tão inútil. Eu me cobro tanto e faço tão pouco. Queria tirar pelo menos o peso desse curso de cima de mim, mas eu tô morrendo esmagado por ele. Eu não tenho ninguém pra pedir socorro. Nem os deuses nem as deusas me ajudam.


Tem tanta gente aqui, max eu tô tão só. Se ao menos eu estivesse realmente só... mas não estou. 

sexta-feira, 27 de novembro de 2020

Puxando minha própria névoa

    Não quero dividir minha névoa com quem está próximo (mas ironicamente a despejo aqui), em uma ligação real e direta. Tento esconder ao máximo minha tristeza e espero que eu consiga ao menos mascarar um pouco. Não quero preocupações pra cima de mim, não quero enevoar quem está comigo. Eu realmente gostaria de contar, mas mesmo se eu implorar pra não levar para outros lados e pedir pra que deixe quieto e dizer que estou "okay", ele não vai ficar.

    Fica chato pra mim, entristecer e preocupar alguém, eu detesto na verdade. Não gosto que fiquem em cima de mim todo instante insistindo em retirar a tristeza ou dor de mim. Não suporto isso, me sufoca, só que não posso comentar para não chatear ninguém e lá vou eu para aquilo novamente: vou ficando mal pra não deixar ninguém mal sendo que ao não deixar a pessoa mal ela vai meio que ficando em cima de mim e não gosto. Não sei como proceder. 

    Virtualmente é até fácil esconder meu estado, em ligação complica mas mesmo assim dá pra fingir um sorriso, usar entonações diferentes e simular alegrias momentâneas na fala. Quero ver quando for pessoalmente, talvez seja mais fácil falar olho no olho, vai ficar o clima um pouco pesado, mas acho que as coisas podem ser melhor compreendidas assim.

    Respira, Jhonny. Você está extremamente enferrujado nisso de mascarar seus sentimentos negativos, mas já foi quase profissional nisso. É difícil, você mudou bastante, sua mente está um tanto mais caótica e aérea, mas você consegue. Evite mais chateações e fique bem (ou o melhor que puder).

domingo, 15 de novembro de 2020

Donos da sua verdade

    Ninguém aceita a explicação que sempre dou, que me conheço e que sei como funciono, e isso é um saco. Nem todo mundo tem a capacidade de se autoconhecer, chamaria até de habilidade. Sempre que tento argumentar aparece alguém para dizer "não, não é assim" como se esta pessoa dividisse espaço comigo em minha cabeça, como se habitasse o mesmo corpo e tivesse a par de todos e quaisquer acontecimentos, sentimentos e pensamentos que me ocorreram e que me ocorrem.

    Não! Só eu habito esse corpo. Se alguém não aceita que me conheço ao ponto de saber minhas limitações tudo bem. Meu trabalho é passar a informação e eu busco sempre dizer a verdade da maneira mais clara e sincera. Se a pessoa não aceita já não faz parte da minha ossada.

    Ninguém pode ser dono da verdade de ninguém. Entendo e aceito quando alguém vem questionar sobre o que digo. Converso sobre, escuto, debato, mas insistir em dizer que eu estou errado sobre mim mesmo depois de termos conversado não é legal.

    É preciso dar ouvidos ao que dizem, aceitar o que afirmam. Em um primeiro momento o questionamento é saudável, discutir de maneira educada e inteligente ajuda o outro a se descobrir ainda mais e/ou rever pontos e furos no que está dizendo, mas se a pessoa continuar a afirmar, aceite e siga sua vida deixando que a pessoa siga a dela com os pensamentos e certezas que tem.